Share PDF

Search documents:
  Report this document  
    Download as PDF   
      Share on Facebook

Instalações Industriais

I Unidade:

Competências: Compreender o sistema de bombeamento e instalações sanitárias, entender o processo de tratamento e descartes.

1- Bombas: Definição, Aplicação, Perdas de carga e bombeamento

2- Instalações de água fria e quente: Definição, Consumo e Dimensionamento, Projetos

3- Instalações sanitárias: Definição, Características

4- Tipos de tratamentos sanitários: Definição, Características

5- Apresentação individual de exercício de fixação dos conteúdos ministrados na unidade (TED)

Instalações Industriais

II Unidade:

Competência: Compreender os processos de Instalações elétricas, suas aplicações e características.

1- Instalações Elétricas de Iluminação:

Conceito; Características

2- Instalações elétricas de tomadas

Conceito; Características;

3- Instalações de Combate à Incêndio

Definição,

Tipos;

Características

4- Apresentação individual de exercício de fixação dos conteúdos ministrados na unidade (TED)

Instalações Industriais

III Unidade:

Competência: Compreender os sistemas de proteção contra descargas e instalações de segurança patrimonial e redes de computadores.

1- Instalações de proteção contra descargas atmosféricas

Conceito; Características

2- Instalações de segurança patrimonial

Conceito; Características

3- Instalações de redes de computadores.

4- Apresentação individual de exercício de fixação dos conteúdos ministrados na unidade (TED)

Instalações Industriais

Aula 5

Instalações de Combate à Incêndio Requisito de desempenho Sistema Predial

Tipos de sistemas Evolução dos sistemas

Classificação das aguas de esgotamento

Instalações Industriais

O que é Fogo?

Fogo, cientificamente chamado combustão, é a reação química entre o combustível e oxigênio do ar (comburente), face a uma fonte de calor.

Instalações Industriais

Os 3 elementos essenciais da combustão, constituem o chamado "Triângulo da Combustão".

Instalações Industriais

Extintores

Instalações Industriais

Os equipamentos de combate a incêndios são dispositivos manuais ou automáticos, fixos ou móveis, ativos ou passivos, empregados em controle ou combate a princípios de incêndios, e, sob certas circunstâncias, no combate e extinção de incêndios.

Para que os dispositivos alcancem seus propósitos deverão ser adequados aos ambientes e aos riscos a proteger, bem como terem comprovada eficiência nesses tipos de situação.

Instalações Industriais

Os equipamentos de combate a incêndios podem, entre outros:

Extintores portáteis e sobre rodas; Mangotinhos; Hidrantes; Sprinklers; Sistemas fixos de gás carbônico ou espuma.

Instalações Industriais

Os sistemas móveis de combate a incêndios podem, entre outros:

Extintores portáteis; Extintores sobre rodas; Mangotinhos; Baldes de areia ou limalha.

Instalações Industriais

Extintor de pó químico seco “improvisado” com o propelente a base de gás carbônico conectado à base do recipiente de pó (bicarbonato de sódio).

Carreta (extintor sobre rodas) de espuma química

Instalações Industriais

Os dispositivos fixos podem ser enquadrados em duas categorias.

Na primeira tem-se aqueles que apresentam mobilidade de extinção, como os mangotinhos, ou mangueiras semi rígidas, acondicionadas em carretéis, e hidrantes.

Sistema de mangotinhos, com o carretel metálico onde é enrolada uma mangueira semi rígida com comprimento de até 20 metros,

Instalações Industriais

Sistema de mangotinhos, com o carretel metálico onde é enrolada uma mangueira semi rígida com comprimento de até 20 metros,

Instalações Industriais

Hidrante

Pode ser instalado sob a forma de pedestal ou coluna ou com seus pertences em caixas metálicas posicionadas em paredes ou fixadas sobre estruturas.

Neste caso as estruturas costumam ficar mais próximas dos locais a serem protegidos.

Instalações Industriais

Canhão de hidrantes sobre coluna, para a proteção de locais a grandes distâncias, onde há riscos com a proximidade dos operadores

Instalações Industriais

Sistema de hidrantes

O sistema de hidrantes pode ser ampliado, para atendimento a áreas específicas através de veículos momo moto bombas rebocáveis, conectadas à própria rede ou aspirando água de reservatórios.

Para a projeção da água sobre os incêndios são empregados esguichos, sob a forma de jato sólido, neblina, ou mistos.

Instalações Industriais

Sistemas de Hidrantes

O sistema de hidrantes, constituído por reservatórios de água, bombas, mangueiras, esguichos e conexões deve ser periodicamente inspecionado.

Uma das inspeções feitas é a do funcionamento da rede, onde é avaliada a pressão e a vazão.

Instalações Industriais

Sprinklers

Um dos sistemas fixos de combate a incêndios mais eficazes é o de sprinklers, ou chuveiros automáticos contra incêndios.

O calor gerado pela combustão aquece o ambiente o qual troca calor com os bicos de sprinklers.

Esses se rompem e projetam água sob a forma de chuveiro na área protegida pela rede.

Instalações Industriais

O sistema de sprinklers pode ser adaptado para a proteção em ambientes especiais, como subestações elétricas,

P.Ex., essas adaptações, através de projetos específicos podem contemplar a instalação de bicos do tipo protectorspray,ou mulsifire, como a seguir.

Instalações Industriais

Instalações Industriais

Bicos de Sprinklers

Os bicos de sprinklers são acionados com o rompimento do elemento sensor (fusível), que pode ser através

de ligas metálicas ou bulbo preenchido com álcool etílico colorido.

Na temperatura para a qual o sistema foi dimensionado o elemento se rompe deixando passar a água sob pressão.

No choque dessa com o defletor é formado o “chuveiro” projetado sobre as chamas, extinguindo os incêndios por resfriamento.

Instalações Industriais

Sprinklers: tubulação em ferro galvanizado

-no teto

-res. água = 120.000L

-chuverinho

-R= 2.35m

Detector de fumaça:

-no teto

-R= 4.20m

-central de alarme

Instalações Industriais

Proteção por extintores e abrigo para extintores:

Os agentes mais empregados na extinção de incêndios são: água, espuma, gás carbônico e pó químico seco.

Água (H2O) Espuma (ES) Gás (CO2)

Pó Químico Seco (PQS)

Instalações Industriais

Sinalização

Identificadores oficiais que orientam a localização

e o modo de utilização dos equipamentos contra incêndio.

Instalações Industriais

Capacidade extintora

Cada Capacidade Extintora protege uma área máxima de:

I - Risco Leve - 500 m2

II - Risco Médio - 250 m2

III - Risco Elevado - 250 m2

Instalações Industriais

Classificação dos riscos de incêndios:

Para efeito de determinação dos níveis de exigências do sistema de segurança contra incêndio, as edificações serão classificadas em função da ocupação, da localização e da carga de fogo:

Instalações Industriais

I - Riscos Leves

Que comportem Carga de Fogo média estimada menor do que 60 kg/m2

Edificações classificadas como:

a)Residencial

b)Pública

c)Escolar

d)Reunião de Público

e)Comercial

f)Mista

Instalações Industriais

II - Riscos Médios

Carga de Fogo média estimada entre 60 e 120 Kg/m2.

Edificações classificadas como:

a)Hospitalar – Laboratorial

b)Garagens

c)Comercial

d)Industrial

e)Mista

f)Especiais

Instalações Industriais

III - Riscos Elevados

Quando o somatório das unidades comerciais da edificação mista e as demais comportagem Carga de Fogo estimada, maior do que 120 Kg/m2.

a)Comercial

b)Industrial

c)Mista

d)Especiais

Instalações Industriais

Sistema de alarme e detecção:

Serão compostos basicamente de:

I - Central (quadro geral de supervisão e alarme); II - Detectores automáticos;

III - Acionadores manuais;

IV - Fonte de alimentação (carregador e bateria); V - Indicadores sonoros e visuais.

Instalações Industriais

Armários para mangueiras

Embutir ou externo

Dimensões Padronizadas: altura x largura x profundidade (cm)

Instalações Industriais

75 x 45 x 17

90 x 60 x 17

90 x 60 x 30

90 x 120 x 30

Diâmetro das mangueiras = 1 1/2" e 2 1/2“

Quantidade x comprimento = 2 x 15 m Características Técnicas:

Material = chapa de aço carbono, fina à frio, decapada e fosfatizada.

Porta Frontal = reforçada internamente, contendo visor de vidro 190 mm com inscrição "Incêndio", trinco giratório e veneziana para ventilação.

Esguicho

Instalações Industriais

Instalações Industriais

Reservatório para hidrante pressurizado: barrilete de incêndio

Instalações Industriais

Porta corta-fogo:

Impedem a propagação do fogo e calor de um ambiente para outro pelo tempo especificado em cada um dos tipos e é fabricada conforme especificações da norma NBR 11.742.

Fabricada em chapa galvanizada composta de duas bandejas estruturadas e requadradas com perfis metálicos, com isolante térmico interno feito de fibra cerâmica com alto grau de pureza química, baixa densidade e condutibilidade térmica, alta reflexão ao calor, boa absorção de som e resistência à corrosão.;

Instalações Industriais

Fabricada em chapa galvanizada composta de duas bandejas estruturadas e requadradas com perfis metálicos, com isolante térmico interno feito de fibra cerâmica com alto grau de pureza química, baixa densidade e condutibilidade térmica, alta reflexão ao calor, boa absorção de som e resistência à corrosão.;

Instalações Industriais

Alarmes contra-incêndio:

Central de alarme contra incêndio, detectores de fumaça, rede elétrica.

A distância entre os detectores deve ter um diâmetro de 8.40 m.

Instalações Industriais

Instalações Industriais

Instalações Industriais

Instalações Industriais

REFERÊNCIA BÁSICA

CREDER, Hélio. Instalações Elétricas. LTC, Rio de Janeiro, 1995.

MAMEDE FILHO, J. Instalações Elétricas Industriais. LTC. Rio de Janeiro, 1995.

MACINTYRE, Archibald Joseph. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS: PREDIAIS E INDUSTRIAIS, Rio de Janeiro: LCT, 1996.

Instalações Industriais

REFERÊNCIA COMPLEMENTAR

CREDER, Hélio. Instalações Elétricas. LTC, Rio de Janeiro, 1995. MAMEDE FILHO, J. Instalações Elétricas Industriais. LTC. Rio de Janeiro, 1995.

MACINTYRE, Archibald Joseph; NISKIER, Julio. Instalações Elétrica. 3ed; Rio de Janeiro: LCT,1996.

ELWOOD, S. BUFFA. Administração da Produção. 1. ed. Rio de Janeiro: Livro Técnico Cientifico, 1976. v. 1 e 2.

MAYNARD, H. B. Manual de Engenharia da Produção. 1. ed. São Paulo: Blucher, 1977. v.1 a10.